Vendas

Google Shopping: o que é, como funciona e como usar essa ferramenta

Google shopping

Veja o que você irá encontrar neste artigo

O Google Shopping é um serviço voltado para lojas virtuais. Com ele, é possível criar uma espécie de vitrine virtual que é mostrada diretamente na ferramenta de busca.

Você já ouviu falar no Google Shopping? O mercado de comparadores de preço, como o Zoom e o Buscapé, tem se tornado cada vez mais popular no Brasil por conta da praticidade e organização e a gigante da tecnologia não poderia ficar de fora dessa tendência.

A entrada da empresa nesse segmento, aliás, agregou mais valor à experiência de consumo de quem frequenta a internet. Se você deseja oferecer o mesmo para os seus clientes de uma maneira simples e eficaz, neste post falaremos um pouco mais sobre essa ferramenta, para que ela serve, se é vantajosa e muito mais. Acompanhe!

O que é o Google Shopping?

O Google Shopping, assim como o Google Meu Negócio, é um dos serviços do buscador voltado para empresas — as lojas virtuais que vendem produtos, mais especificamente. Com ele, é possível criar uma espécie de vitrine virtual que é mostrada diretamente na busca.

Ele oferece funções muito semelhantes ao Zoom e ao Buscapé. A diferença, entretanto, é que ele conta com integração direta ao Google — isso quer dizer que dependendo da busca que for realizada, os produtos aparecem nos resultados de pesquisa patrocinados.

Outro ponto interessante dessa ferramenta é que ela conta com a sua própria página. Nela, os usuários podem buscar por produtos de acordo com a marca, categoria ou até usar o campo de busca próprio para fazer pesquisas mais específicas.

Para que serve o Google Shopping?

O intuito do Google Shopping é ajudar a sua loja a alcançar os compradores que procuram por itens como os que você vende diretamente do Google. Quando você realiza o cadastro do seu negócio, os seus produtos aparecerão não só no buscador, mas também em aplicativos como Gmail e YouTube.

O formato dos anúncios é próprio para ajudar a atrair os clientes qualificados para o seu e-commerce. Neles, é possível encontrar informações como fotos, preço, descrição dos itens e muitas outras em tempo real.

Basicamente, ele funciona como um centro comercial online que agrega vários produtos de várias lojas diferentes. Assim, os usuários poderão encontrar o que precisam com facilidade — além de conseguirem ter acesso a produtos similares, comparar preços em sites diferentes e efetuar a compra em si.

Como o Google Shopping funciona?

O funcionamento desta plataforma é bastante simples. Suponha que você deseja comprar uma camiseta branca e pesquisa exatamente por essas palavras. Os resultados do Google Shopping aparecem em primeiro lugar — antes mesmo dos links patrocinados. Esse conteúdo destacado apresenta uma foto do produto, assim como o título, seu preço e a loja que está fazendo o anúncio.

Se você clicar em “Anúncios” ou acessar a página “Shopping” — ou “Compras” — terá acesso a uma página mais completa dessa ferramenta. Nela, os resultados dos produtos aparecerão com mais informações.

Ainda nessa página existe uma aba lateral que os visitantes podem refinar a pesquisa de acordo com algumas características, como marca, preço, especificações técnicas e podem até selecionar a loja em que desejam comprar.

Aqui, é preciso pontuar que esses anúncios são exibidos com base em palavras-chave. Nesse caso, as variáveis são os atributos dos produtos cadastrados na plataforma. Então, quanto mais detalhadas as informações dos itens, melhor será a correspondência com o que o público pesquisa.

Quais são as informações apresentadas pelo Google Shopping?

Existem alguns dados atribuídos aos produtos que são mostrados pelo Google Shopping. Entre eles, é possível citar:

  • nome do produto;
  • descrição do item;
  • identificador exclusivo da mercadoria — geralmente a SKU;
  • disponibilidade;
  • página de destino dentro da loja;
  • preços promocionais;
  • parcelamentos;
  • data limite da exibição do produto;
  • medidas e dimensões do item;
  • nome da marca;
  • categorias definidas tanto pelo lojista quanto pelo próprio Google.

Todos esses dados precisam ser enviados em um arquivo XML. Esse formato pode ser criado por API ou por uma planilha no Excel ou Google Planilhas. Aqui, é interessante frisar que essas informações precisam ser atualizadas em um prazo de até 30 dias.

Vale a pena utilizar o Google Shopping?

A resposta rápida para essa pergunta é: sim! Esse recurso oferece diversos benefícios e você conhece alguns deles a seguir. Confira!

Público mais qualificado

Quando o seu cliente ideal faz a pesquisa de algum produto no Google e analisa todas as opções que a ferramenta oferece, é porque ele já está em um estágio mais avançado do funil de vendas. Nessa fase, ele não precisa mais de muitas informações para demonstrar a sua intenção de compra.

Alguém que busca as palavras “calça jeans” tem um certo interesse de compra, não é mesmo? Quando tem acesso a informações como preço, fotos, parcelas e até mesmo a avaliações de outros clientes, poderá decidir com mais facilidade se o produto corresponde ou não às suas expectativas — e as chances de venda são grandes nessa etapa.

Maior tráfego na loja virtual

Como os resultados no Google Shopping são exibidos em primeiro lugar nas buscas, é natural que atraiam maior interesse das pessoas — e, consequentemente, pode ter como consequência o aumento de acessos da loja. O processo de compra dos brasileiros, aliás, tem como primeiro passo a procura pelo produto nos buscadores, segundo a pesquisa State of Search Brasil.

Além disso, a taxa de cliques costuma ser maior que a de anúncios de texto. Isso se dá por conta dos atrativos para os consumidores que, nesse caso, também são maiores — já que, logo de cara eles têm acesso a dados como imagem e preço do item, fatores que pesam bastante no momento de fechar a compra.

Monitoramento detalhado de performance

Um recurso interessante da ferramenta são os relatórios de análise de desempenho que podem ser gerados. A eficiência e o detalhamento de informações são tão grandes que eles podem mostrar as marcas que mais geram cliques e conversões, as características técnicas dos produtos ou até mesmo as categorias em que eles se encaixam.

Todos os outros parâmetros de atribuição dos produtos também podem servir como categoria de análise. Mais do que isso, é possível fazer o levantamento de informações sobre a performance da concorrência — uma ótima estratégia para realizar comparativos de mercado.

Maior presença nas buscas do Google

Outro ponto do Google Shopping que vale mencionar é o fato de que os seus anúncios podem dividir espaço com os links patrocinados da sua loja. Se ambas as campanhas forem feitas da forma correta e o buscador entender que são relevantes — e contarem com configurações bem definidas e com lances ajustados, por exemplo —, os anúncios poderão aparecer para os clientes ao mesmo tempo. Com isso, o seu negócio ganha mais exposição e atrai um número maior de interessados.

Melhor experiência do usuário

Mesmo que os sites de comparação de preço — como o Buscapé — ainda continuem fazendo bastante sucesso, ter acesso a um serviço que seja equivalente diretamente no Google acaba sendo mais vantajoso. Isso porque as pessoas acessam menos páginas e conseguem pesquisar e concluir suas compras de uma maneira muito mais simples e rápida.

Outro ponto que beneficia a experiência de compra do usuário é que a maioria de quem acessa a internet já é bastante familiarizada com o Google, seus serviços e o seu layout intuitivo. Só esse pequeno detalhe já faz com que as pessoas utilizem a plataforma com muito mais segurança e com mais frequência.

Fortalecimento da presença digital

Nos dias de hoje é fundamental tornar a sua loja online forte no mundo digital — ou seja, fazer com que ela seja reconhecida e respeitada. Mesmo que o Google Shopping seja focado no anúncio de produtos, ele permite que as empresas alcancem maior visibilidade, já que os resultados serão exibidos ao lado de outras lojas bastante conhecidas. Isso é vantajoso principalmente para os pequenos negócios.

Essa, então, se torna mais uma maneira de ampliar a presença digital do seu negócio e, consequentemente, atrair novos clientes. Porém, é preciso que você tenha em mente que não adianta ter destaque no Google e não entregar uma experiência de compra diferenciada e de qualidade dentro do seu site. O buscador é apenas uma vitrine e é seu papel como lojista conquistar — e fidelizar — os clientes. Combinado?

Aumento das chances de negócio

O Google é, sem sombra de dúvidas, o maior buscador online atualmente. É o site mais acessado do mundo e responde por mais de 90% das pesquisas na maioria dos países. De acordo com o ranking da Alexa, aliás, não existe a menor possibilidade dele perder essa posição.

Isso significa que tornar essa plataforma poderosa em um canal de vendas é uma oportunidade de ouro e muitas empresas do mundo todo já perceberam isso. Mesmo que a concorrência seja acirrada, as possibilidades de negócio que ela oferece para a sua loja são enormes!

O Google Shopping é pago ou gratuito?

No mês de abril de 2020, o Google anunciou que esse recurso passaria a ser um serviço gratuito oferecido pela empresa. Antes disso, os anúncios precisavam estar integrados a campanhas do Google Ads — o seu sistema de publicidade paga. Para gerenciar as listas de produtos, porém, ainda é necessário criar uma conta no Google Merchant Center.

Depois da implementação dessa mudança, a aba “Shopping” passou a contar com um mecanismo de busca semelhante ao tradicional, que exibe tanto os resultados orgânicos — que são gratuitos — quanto os pagos, ou seja, os anúncios. Ambos podem aparecer na lista de pesquisa principal de produtos.

A decisão de oferecer a ferramenta de maneira gratuita se deu pela estratégia de tornar a plataforma mais competitiva e oferecer mais oportunidades a pequenos empreendedores com a eliminação de taxas e barreiras de entrada. Esse movimento, porém, também foi impulsionado pelo mercado — já que grandes concorrentes, como a Amazon, já estavam adotando posturas semelhantes.

Como usar o Google Shopping?

Como dito anteriormente, para usar o Google Shopping primeiro é necessário ter uma conta no Google Merchant Center. É a partir dele que você conseguirá enviar as informações referentes aos seus produtos para o Google.

Cadastre-se no Google Merchant Center

Caso você ainda não tenha cadastro, é só seguir o passo a passo e realizar a verificação que comprova que o seu site pertence a você. Depois, você pode definir o frete e a cobertura de entrega, além de fazer o cadastro dos produtos por meio de um arquivo XML (uma planilha) ou API.

Vincule sua conta do Google Ads com a do Merchant Center

Nessa etapa, é provável que as suas contas nas plataformas ainda não estejam vinculadas e esse passo é extremamente necessário para você colocar as campanhas no ar. Para fazer isso, é só ir até o painel do Merchant Center, clicar em “Configurações” e depois em “Contas Vinculadas”.

A sua conta do Ads estará listada como “Não vinculada”, então, na coluna “Ações”, clique em “Link” para gerar uma nova solicitação. Depois, é só retornar para o painel do Google Ads e clicar em “Notificações” para visualizá-la. Na página que abrir, clique em “Ver Solicitação” e em “Aprovar” em seguida.

Crie uma campanha

No painel do Google Ads, clique em “Campanhas” — no menu lateral esquerdo — e em “Nova Campanha”. O próximo passo é definir um objetivo para a sua campanha. Os que viabilizam campanhas no Shopping são tráfego do site, vendas e leads.

Na próxima etapa, é só selecionar a opção “Shopping” para continuar. Selecione a sua conta do Merchant Center e o país em que pretende fazer o anúncio. Depois é só:

  • selecionar um subtipo de campanha — que pode ser feita de maneira automática pelo algoritmo do Google ou por você;
  • configurar a campanha, com nome, estratégia de lances, orçamento e período de veiculação;
  •  definir recursos e grupos de produtos.

Quando concluir as configurações, é só clicar em “Salvar”. Por fim, será solicitado que você informe os dados para pagamento e o anúncio passará por uma revisão interna antes de ser exibido nas buscas.

Qual a diferença entre Google Shopping e Google Ads?

Uma das maiores diferenças entre o Google Ads e o Google Shopping está no uso das palavras-chave. Enquanto nas campanhas do primeiro é possível escolher as que melhor posicionem a sua marca ou a própria loja online nos resultados da busca, no segundo é o próprio buscador que define quais as palavras são relevantes para o anúncio.

Outro ponto que diferencia as duas ferramentas é que os links patrocinados do Google Ads são anúncios de imagem ou de texto que podem ser utilizados de maneiras diferentes — e nem sempre a venda é o foco principal. Ele pode ser utilizado, por exemplo, para aumento de tráfego direto, remarketing, atração de leads ou outras estratégias.

Viu só como o Google Shopping é um ótimo recurso para o seu negócio? Basta saber utilizá-lo da maneira correta na sua estratégia de vendas para que mais e mais pessoas conheçam os seus produtos e a sua loja!

Se você ainda não aproveita essa ferramenta, chegou a hora de colocar nossas dicas em prática e começar a vender com a Bagy e o Google Shopping em sintonia. Conheça todos os recursos da nossa plataforma e venda muito para todo o Brasil agora mesmo!

Pedro Fonseca

Especialista em Marketing e Estratégias Digitais, atua no mercado de e-commerce a mais de 3 anos. Hoje seu principal foco, como CMO na Bagy, é trazer conteúdo relevante para empreendedores de todos os portes e segmentos, a fim de melhorar seus resultados e disseminar boas práticas no comércio eletrônico.

Receba uma análise para impulsionar sua loja!

Preencha no nosso formulário para obter uma avaliação personalizada da sua loja e dicas para melhorar suas vendas!

Preencha nosso formulário para obter uma avaliação personalizada da sua loja e dicas exclusivas para melhorar suas vendas.

Preencha nosso formulário para obter uma avaliação personalizada da sua loja e dicas exclusivas para melhorar suas vendas.

Preencha nosso formulário para obter uma avaliação personalizada da sua loja e dicas exclusivas para melhorar suas vendas.