E-commerce

Como transformar sua loja física em loja virtual? Vantagens e os principais caminhos

Aprenda como transformar loja física em loja virtual

Veja o que você irá encontrar neste artigo

Para transformar uma loja física em loja virtual você vai precisar, basicamente, de uma estrutura de estoque e logística, plataforma de e-commerces e uma estratégia de marketing. O primeiro passo para o sucesso, porém, é realizar um bom planejamento.

Já imaginou o quanto o seu negócio poderia crescer e como sua vida poderia mudar se sua loja passasse a fazer vendas pela internet?

Esse é o sonho que muitos empreendedores tiraram do papel nos últimos anos, sobretudo após a pandemia de COVID-19, que deixou claro o quanto o comércio eletrônico é fundamental nos dias de hoje. O mercado virtual é gigante, flexível e mais democrático do que qualquer outro, e o melhor é que ele ainda tem espaço para muita gente!

Se você é uma das pessoas que não vê a hora de levar a sua marca para a internet, dois fatos devem te animar: o primeiro é que o e-commerce brasileiro não para de crescer e o segundo é que as pessoas nunca fizeram tantas compras online!

Após registrar recordes de faturamento em 2020 e 2021 (que fechou em R$161 bilhões), a expectativa é que o setor cresça 9% em 2022, segundo dados da agência Neotrust. Além disso, um estudo da Opinion Box revelou que 49% dos consumidores, de todas as idades, pretendem comprar com mais frequência pela internet este ano.

Sabe o que todos esses números significam? Que a hora é agora, não importa o tamanho ou o segmento do seu negócio! E, a seguir, você confere tudo o que precisa saber para transformar a sua loja física em um e-commerce de sucesso! Vamos lá?

Qual a diferença entre loja física e loja virtual?

Primeiramente, você deve entender que a principal diferença entre uma loja física e uma loja virtual é a vitrine. No primeiro caso, você exibe e oferta seus produtos em um local físico onde as pessoas podem conhecê-los, compará-los e comprá-los, pessoalmente. No e-commerce, sua vitrine é online e as pessoas têm acesso a fotos, descrições e outros conteúdos para se decidir pela compra, que também é digital.

Além disso, a divulgação da empresa e dos produtos na internet é muito diferente da publicidade tradicional utilizada em estabelecimentos físicos. Para atrair visitantes para o e-commerce é preciso investir em estratégias de marketing focadas em buscadores, como o Google, e, principalmente, em redes sociais, como o Facebook e o Instagram.

De maneira geral, um e-commerce nada mais é do que um canal de vendas, pois, por trás dos sites e marketplaces existem empresas que operam, basicamente, da mesma forma que um negócio físico. A maior diferença operacional, é que a loja comum é focada no mostruário e no atendimento presencial. Já a loja virtual é centrada na logística e no atendimento digital.

Como funciona a estrutura de uma loja virtual?

Embora os serviços digitais tenham se tornado algo corriqueiro na vida das pessoas, grande parte delas não faz ideia de que por trás das plataformas e sites existem empresas e profissionais trabalhando dia e noite para que tudo funcione bem.

Para um visitante comum, uma loja virtual é como um simples programa de computador capaz de fazer tudo sozinho. De fato, é possível automatizar várias tarefas por meio de boas ferramentas de e-commerce, mas, ainda assim, há muito trabalho dentro e por trás das telas.

Se você realmente pretende transformar sua loja física em uma loja virtual, é fundamental planejar a estrutura comercial do negócio. Os principais pontos de atenção, nós listamos a seguir.

Instalação

Não importa se você vende seus produtos pessoalmente ou pela internet, você precisa de um espaço para armazenar, gerir e despachar as suas mercadorias. É nesse espaço onde também devem ser feitas conferências, testes de qualidade, etiquetagem, impressão de notas fiscais e empacotamento.

Vale destacar que ao embalar um produto vendido online, é preciso garantir a sua integridade ao longo de toda a rota de entrega, que pode envolver diferentes transportadoras, além de entregadores freelancers.

Outro ponto importante, além da instalação em si, é o seu endereço. Você pode começar utilizando o mesmo espaço da sua loja física, sem problema algum. Entretanto, empresas com maior demanda ou que desejam oferecer prazos de entrega menores costumam ter estoques em locais estratégicos que facilitam a chegada e a saída de veículos para outros municípios.

Logística

A logística é o ponto mais crítico de um e-commerce. Longos prazos de entrega fazem muitos consumidores desistirem da compra e os atrasos estão entre as mais frequentes reclamações do setor. Felizmente, uma outra vantagem de apostar na internet hoje é que existem muitos serviços que facilitam o gerenciamento de fretes.

Plataformas como o Melhor Envio tem parcerias com diversas transportadoras do Brasil e são capazes de encontrar a melhor cotação disponível para seus clientes de maneira automática. Além de oferecer preços e prazos de frete melhores, o lojista também se livra do estresse e da burocracia de manter contratos com várias empresas de logísticas, centralizando tudo em um só parceiro.

Naturalmente, o transporte de mercadorias do seu estoque para a casa dos seus clientes deve ser sua prioridade. Entretanto, você não deve esquecer do transporte de itens do seu fornecedor até as instalações da sua empresa, o que também deve fazer parte da sua estratégia logística, mesmo quando essa responsabilidade é do seu parceiro comercial e não da sua empresa.

Ao escolher fornecedores, você deve sempre verificar o desempenho dessas empresas no cumprimento de prazos e demandas, especialmente em datas de maior procura, como Natal e Black Friday.

Atendimento

Com clientes chegando pelos buscadores, redes sociais e outros sites, você precisará oferecer canais de atendimento pela internet. Entre as soluções mais utilizadas no mercado, nós temos o e-mail ― que, por ser considerado “lento”, não agrada muito os usuários atuais ― e os chats, sejam os nativos das redes sociais, como o Direct do Instagram, sejam os aplicativos, como o WhatsApp.

Outra alternativa que ganha cada vez mais espaço nos e-commerces é o chatbot. Com este serviço, você disponibiliza um meio de comunicação fácil e direto dentro da sua loja virtual e ainda pode configurar mensagens automáticas para resolver dúvidas simples dos usuários ou direcionar o atendimento para setores especializados.

Independentemente do canal utilizado, porém, o que não se deve perder de vista jamais é a humanização. As automatizações podem facilitar muito a vida do lojista, mas, em excesso, podem distanciar o público da sua marca e causar insatisfação.

Isso significa que, se você não puder fazer isso, será necessário investir em um profissional ou em uma equipe de atendimento, a depender da sua demanda.

Outra questão importante é que o e-commerce em si pode ser considerado um canal de atendimento, e não apenas de venda. Ao navegar pelas páginas, os usuários vivenciam uma experiência que vai além da compra, como a consulta por informações, comparação de produtos, criação de listas, carrinhos etc.

Nesse sentido, ter um site confuso, lento e visualmente desagradável, bem como anúncios com fotos amadoras e descrições rasas também é uma forma de mal atendimento. Uma loja de sucesso requer plataformas de qualidade e um trabalho de produção de arte e texto profissional.

Checkout

Em linhas gerais, o checkout no e-commerce é o processo de finalização do pedido e pagamento, algo que requer tecnologia e serviços especializados para funcionar adequadamente e com segurança. São os chamados gateways de pagamento, como PagSeguro, MercadoPago, PayPal e outros, que permitem que o seu site realize transações financeiras.

Vários desses serviços podem ser integrados à plataforma de gestão comercial da sua loja para que os registros de venda e a emissão de notas fiscais sejam realizados automaticamente. Os gateways também são os responsáveis pela enorme variedade de meios de pagamento disponíveis hoje no e-commerce, mas as taxas para o lojista podem variar de acordo com a empresa contratada.

Sendo assim, se o seu e-commerce não conta com um serviço de pagamentos embutido, será necessário investir em uma solução de checkout e providenciar sua integração à sua loja online. A boa notícia é que várias ferramentas de criação de lojas virtuais já contam com essa funcionalidade integrada, dispensando contratações extras.

Abrir uma loja virtual vale a pena?

Esclarecidos os principais pontos da estrutura de um e-commerce, será que ainda vale a pena investir em uma loja virtual? A resposta é sim, e existem vários motivos para isso. Confira os principais a seguir!

Reduz seus custos

Embora o comércio eletrônico demande investimentos diferentes em relação aos serviços presenciais, seus custos são muito menores do que os envolvidos na manutenção de um endereço comercial físico.

Melhor ainda quando você já conta com um espaço para desenvolver essa atividade. Para quem já tem uma loja física, os custos para começar a vender online são muito baixos.

Aumenta a visibilidade

A internet é hoje a principal janela para o mundo. Levar a sua marca para os buscadores e para as redes sociais é uma forma de torná-la mais conhecida e mais respeitada em sua área. Observe que isso também favorece a sua loja física, e não só a virtual.

Vale mencionar também que uma boa estratégia de comunicação na web pode aproximar a sua empresa do seu público. Dessa forma, sua marca passa a ser mais referenciada e aumenta-se as chances de fidelização.

Facilita a comparação de preços

Entre as mudanças observadas no comportamento do consumidor na internet, a comparação de produtos e preços em lojas diferentes é uma das que mais se destacam. No centro desse hábito, estão as plataformas de comparação de preços, assim como os buscadores dos marketplaces e do Google, que têm visitas garantidas em todo processo de compra online.

Com um e-commerce, você tem a chance de incluir a sua loja nos grandes catálogos digitais e entrar na mira dos milhões de consumidores que pesquisam e comparam preços na internet todos os dias.

Amplia a variedade de produtos

Uma loja virtual também pode ser uma oportunidade de comercializar produtos que não são economicamente viáveis na sua loja física ou que não tem muita procura na sua região. Como seu alcance será muito maior, é possível incluir novas opções e aumentar a variedade de produtos que você comercializa.

Os e-commerces também oferecem grandes oportunidades de cross e up selling. Disponibilizando opções de produtos complementares ou semelhantes, você aumenta consideravelmente as suas chances de vender mais.

Não precisa ser só virtual

Na dúvida entre vender em loja física ou virtual? Fique com as duas! Com uma operação híbrida, você pode oferecer novas modalidades de atendimento e entrega, como retirada ou troca de produtos pessoalmente.

Essa também é uma forma de ampliar as possibilidades do seu trabalho de marketing. Com uma estratégia integrada, você será capaz tanto de levar o público da loja física para a loja virtual, quanto o da sua loja virtual para a loja física, entregando uma experiência multicanal humanizada e extremamente produtiva.

Como transformar sua loja física em uma virtual?

Pronta para botar a mão na massa? Então continue a leitura e saiba agora como transformar uma loja física em loja virtual, passo a passo!

Conheça o seu mercado na internet

Na internet, um mercado pode assumir um comportamento completamente diferente em relação ao seu desempenho nas ruas. Assim como existem produtos que as pessoas preferem consumir em lojas físicas, existem outros cuja maioria opta por comprar online, seja pela comodidade, seja pelo preço.

Sendo assim, você não deve criar expectativas com seu e-commerce baseando-se somente no desempenho do seu estabelecimento na sua cidade. Estude o seu mercado dentro da internet, especialmente os novos concorrentes que passará a enfrentar nesse novo ambiente.

Pesquise a demanda por seus produtos

Dando continuidade à sua pesquisa, você deve identificar o potencial de demanda pelos produtos que você pretende comercializar na internet. Uma ótima forma de fazer isso é observar o desempenho de lojas virtuais que já estão no mercado há mais tempo.

Outra dica é começar a construir uma audiência nas redes sociais, mesmo que seu negócio ainda não esteja pronto. Fale sobre sua área, compartilhe orientações relevantes e comece a promover a sua marca para verificar a resposta do público e poder começar com mais segurança.

Verifique as regulamentações

A internet atualmente, em especial o comércio eletrônico, conta com uma série de normas e leis que devem ser cumpridas por quem deseja utilizar esse ambiente para fins comerciais. Uma dúvida muito comum, por exemplo, é sobre a necessidade de CNPJ para começar a vender online.

Várias plataformas permitem que você comece usando apenas o CPF, com limitações de venda e faturamento, mas é sempre recomendável investir em um registro jurídico. A maior vantagem de ter um CNPJ é que você poderá emitir notas fiscais, algo que é exigido por muitos fornecedores e clientes para viabilizar contratos de garantia.

Vale destacar que você pode usar o CNPJ da loja física em sua loja virtual, desde que a categoria de produtos comercializados seja a mesma, assim como o endereço da empresa.

Há também outras questões envolvidas, como a adequação à LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) no cadastro e no armazenamento de informações de clientes, bem como outras rotinas civis e contábeis que você pode consultar na prefeitura da sua cidade.

Invista em uma plataforma de e-commerce

A plataforma de e-commerce é o que dará vida e estrutura à sua loja na internet. Existem várias opções interessantes e o melhor é que boa parte delas não exige nenhum conhecimento técnico em programação ou sistemas. Há serviços, inclusive, que permitem criar e gerenciar sua loja virtual usando apenas o celular.

O trabalho de escolher uma boa ferramenta de vendas online pode ser difícil, mas é fundamental fazê-lo com bastante cautela. Entre os fatores que você deve analisar, preste atenção nos seguintes itens:

  • reputação da empresa: marcas bem avaliadas nas redes sociais e em sites especializados como o Reclame Aqui são mais confiáveis;
  • funcionalidades: verifique se a plataforma conta com serviços de frete, pagamento e gestão embutidos, pois isso pode simplificar muito o seu trabalho;
  • integrações: é importante que seu e-commerce se conecte bem com ferramentas de marketing digital, bem como marketplaces e redes sociais;
  • desempenho no mobile: a maioria dos acessos da atualidade vem de dispositivos móveis, como o celular, e por isso é essencial que seu site funcione rápido e bem nesses aparelhos;
  • atendimento: qualquer ferramenta tecnológica está sujeita a problemas e é nessas horas que um suporte de qualidade se mostra extremamente necessário para o lojista.

Uma última orientação é dar preferência para plataformas focadas no porte ou no perfil do seu negócio. Isso pode garantir preços melhores e vantagens que fazem mais sentido para a sua loja.

Crie uma estrutura financeira e logística

Como discutimos anteriormente, agora é a hora de montar a estrutura offline do seu e-commerce para viabilizar as suas vendas online. Se não tem esse espaço na sua loja física, será preciso encontrar um local para receber e despachar seus produtos.

Além de toda máquina comercial que também deve ser estruturada, você vai precisar criar um sistema logístico com empresas parceiras. Isso se não optar por uma solução de intermediação, como a já citada plataforma Melhor Envio.

Invista em marketing digital

Por fim, você deverá montar uma estratégia de marketing digital para promover o seu e-commerce. Publicar conteúdos e fazer campanhas na internet parece algo simples de se fazer, mas dificilmente gera resultados quando não há um planejamento profissional por trás dessas ações.

Um bom trabalho de divulgação online requer tanto investimento em anúncios, quanto um bom trabalho de atração e relacionamento. Apenas empurrar ofertas e promoções para o seu público não funciona, é preciso se envolver com as pessoas e engajá-las.

Já conhece o Bagy?

Para finalizar este conteúdo, apresentamos o Bagy, uma plataforma de e-commerce, especialmente desenvolvida para pequenos lojistas que estão dando seus primeiros passos na web. Com nosso app, você tem tudo o que precisa para criar a sua loja virtual em poucos minutos e gerenciar tudo na palma da sua mão, mesmo sem entender nada sobre esse tipo de tecnologia.

Além de, finalmente, garantir o seu espaço na internet, sua loja pode ser integrada ao Mercado Livre e ao Instagram, e você controla a venda de todos esses canais no mesmo lugar.

Essa é sua grande oportunidade de transformar sua loja física em uma loja virtual! Acesse nosso site e conheça a Bagy!!

Jessica Azevedo

Marketing

Graduada em Turismo e pós graduada em Marketing Digital aplicado à Tecnologia da Informação. Tem na bagagem mais de 3 anos em SEO e tem como foco levar os melhores conteúdo para quem quer conhecer mais sobre o mercado digital.

Tenha um site pronto para sua loja vender!